Como Fazer a Transição Do Conteúdo Gratuito Para O Pago

Em um vídeo recente que publiquei sobre como aumentar preços, o Yuri deixou o seguinte comentário:

“[…]Eu sou coach na área de emagrecimento e qualidade de vida e eu comecei a produzir muitos vídeos de conteúdo para começar a criar autoridade e engajamento. Estou fazendo em média 6 vídeos por semana. A dificuldade que estou sentindo é como vou enfrentar essa transição com meu público. Eu entregava um conteúdo gratuito e agora vou passar a oferecer alguma coisa paga. Como fazer sem que eles fiquem chateados comigo por cobrar? Isso ainda não está claro pra mim. Sei que estamos no marketing de conteúdo, mas ainda não sei como promover o meu trabalho pago já que agora, a principio, estou disponibilizando conteúdo gratuito. Pode me ajudar? obrigado ”

Essa é uma pergunta boa. Achei que valia a pena responder aqui:

Esse é justamente um dos problemas que acabo falando bastante no Férias Sem Fim

Até, quando comento que sou “contra um blog”, esse é também um dos motivos…

Não só porque a transição as vezes realmente pode não ser a mais fácil, mas também porque há outro problema maior:

E se o mercado que você estiver não é bom?!

Se o seu mercado não tiver potencial suficiente, nem o melhor marketing do mundo irá salvá-lo.
Se o seu mercado não tiver potencial suficiente, nem o melhor marketing do mundo irá salvá-lo.

Porque claro que há maneiras de testar e verificar (dedico uma seção inteira só sobre isso no Férias Sem Fim pela importância que tem)… Agora…

Você só vai saber MESMO quando tentar vender algo, certo?!

Aí sim você terá a confirmação se está ou não em um mercado que vale a pena investir seu tempo.

E é justo aí a minha bronca com blogs e criação de muito conteúdo gratuito sem antes ter um plano e confirmação do mercado:

Você pode estar simplesmente fazendo muita coisa em um túnel sem luz no final dele!

Claro que todos os mercados possuem um certo potencial de vendas… Alguns mais, outros menos…

Mas muitos… MUITOS deles… não valem a pena.

Muitas pessoas me mandam e-mails e mensagens perguntando:

E assim segue.

Entre agora no Hotmart e dê uma olhada nos produtos mais quentes… Veja se você vê algum padrão… Aposto que a grande maioria dos produtos que mais vendem está em um desses 3 mercados…

Os 3 Grandes Mercados

Negócios e Finanças, Saúde ou Relacionamentos.

São os 3 grandes mercados. Os que mais movimentam. Não só dinheiro, mas NÓS… Como pessoas.

Relacionamentos... Umas das grandes necessidades humanas — e por isso um dos melhores e mais lucrativos mercados
Relacionamentos… Umas das grandes necessidades humanas — e por isso um dos melhores e mais lucrativos mercados


“Tá… mas o que você aconselha então? E como fazer a transição do gratuito para o pago?”

Por partes:

Primeiro, não é querer assustar nem nada… Mas antes eu precisava realmente mostrar esses fatos da importância do mercado para você.

Se você já viu os vídeos de apresentação do Férias Sem Fim (ou até participa do treinamento), então você já tinha uma noção disso.

Segundo, eu vou contra muitos dos ditos “conselhos” que a gente vê aí fora… Mas pra mim, sinceramente…

Não deveria existir esse período de transição!

Ponto.

Isso significa que você está sempre vendendo, vendendo e vendendo…?!

Não… Claro que nao. Isso seria receita para queimar rapidinho no seu mercado.

Mas o que existe é sempre um processo… um funil… por trás e que acaba conduzindo a uma venda…

Porque é disso que o negócio sobrevive ora pois!!

Então, por exemplo, para os meus alunos no Férias Sem Fim, eu sempre tento recomendar duas coisas:

  1. Antes de sair criando um conteúdo maravilhoso e fantástico… confirme e verifique que o seu mercado é realmente bom!
  2. Se já está confirmado, então tenha sempre algo para vender!

Nem que seja um produto simples de R$ 7, R$ 19, R$ 27 reais… O preço que for.

A ideia não é nem tanto lucrar rios de dinheiro com essa venda…

…mas sim APRENDER pelo que as pessoas estão dispostas a PAGAR a você!

Porque no final… de novo… é disso que o negócio sobrevive!

Outra Vantagem de Se Ter Sempre Algo Para Vender

Fora que já há outra vantagem:

As pessoas naturalmente vão entender que você entrega sim conteúdo de altíssima qualidade… mas que ao mesmo tempo você tem produtos para vender!

A relação já começa melhor dessa maneira.

É como se você conhecesse uma nova garota e convidasse ela para sair…

Primeiro encontro, leva ela para jantar. Depois, larga ela na porta de casa e vai embora. Como um verdadeiro gentleman.

Segundo encontro, cinema. De novo, leva ela para casa e vai embora. Clap, clap, clap.

E assim segue… Terceiro… Quarto… Sétimo encontro… E você, para respeitar e mostrar que é um “bom moço”, nunca tentar sequer um mísero avanço!

Aí vem o namoro…

Depois o “Sim!”… indo direto para o casamento!

“Agora sim… Tá na hora!”, você pensa. Já se preparando.

Na noite de núpcias, lá vai você… Tenta finalmente seus primeiros avanços…

Na primeira avançada um pouco mais… “agressiva”… ela para tudo, liga a luz e com uma cara de quem não está entendendo nada fala pra você:

“Mas o que você está fazendo?! Não pensei que isso fosse parte do acordo… Se você queria isso deveria ter me avisado antes!”

"Peraí... Peraí... PARA!! Onde você está me levando?! Isso não estava no acordo..."
“Peraí… Peraí… PARA!! Onde você está me levando?! Isso não estava no acordo…”

É amigo… Como diria meu amigo Rafael Seabra, do site Quero Ficar Rico em seu sotaque que eu só consigo imitar digitando:

“Se ferrasse!”

Ok… Tudo bem… Exagerei…

Mas ao menos agora acho que você não vai esquecer da mensagem tão cedo. E é isso que importa 🙂

E já aviso:

Quando você for fazer sua primeira oferta, vai ter gente que vai chiar… e como!

“Ahhh mas vocês hein… só pensam em vender vender e vender! Onde está a boa vontade de ajudar o próximo?!”

Falou o cara que não fez absolutamente nada para ajudar e quer agora que seja tudo sempre de graça…

Qual a proporção de conteúdo gratuito e pago?

Primeiro, isso não é verdade: você vai sim criar conteúdo de qualidade para entregar para a pessoa. Faz parte do processo.

Até, 90 a 95% do material que você criar VAI acabar sendo de graça. É pelo menos o que eu faço e recomendo.

E isso vale para todos tipos de negócios. Seja criando um blog… Ou seu site… Ou montando uma loja virtual… Ou o que for.

Sempre há conteúdo e outros materiais informativos que você pode distribuir. Sim, de graça.

Algumas das melhores coisas da vida são realmente de graça...
Algumas das melhores coisas da vida são realmente de graça…

De novo: faz parte do processo de um bom marketing. Marketing atual, onde a gente substitui a palavra “vender” por “ajudar”.

Segundo, se você não cobrar… como você quer que o negócio sobreviva?

Na base de caridade? Na base da… esperança… que o dinheiro irá magicamente aparecer na sua conta?

Você até pode produzir conteúdo de qualidade para o sempre e sempre e nunca cobrar por isso. Mas há um limite do quanto você pode fazer. Afinal:

Você não recebe por isso.

Se você não recebe por isso, vai precisar de outra fonte de sustento. E essa toma tempo.

Tempo que poderia estar sendo usado para criar mais e melhores conteúdos que iriam, no final, ser o seu sustento!

Então cobrar pelo que você tem não é errado…

Talvez seja até a maneira que você vai usar para poder se dedicar cada vez mais… Entregando um conteúdo ainda melhor.

Um exemplo pessoal:

Recentemente pessoal do Férias Sem Fim estava com dificuldades para criar as páginas do Modelo de 4 Páginas que recomendo.

Sabe o que fiz? Simples:

Desenvolvi uma parceria com um programador e criei plugins para resolver isso!

Custo extra para meus clientes?

ZERO.

Agora estou fechando com um designer para criar mais umas coisas que o pessoal também teria que pagar por fora:

Ecovers e templates de iscas digitais.

Ou seja:

No final, ao cobrar, eu… Eu não… NÓS TODOS ganhamos mais acesso a ferramentas e conteúdos de qualidade que não teríamos se não fosse assim.

Mas e se eu JÁ estivesse entregando muito conteúdo de graça… o que fazer?

Se você agora JÁ criou bastante conteúdo, eu faria uma transição com calma…

Primeiro mandaria alguns emails falando que você tem interesse em criar algo para ajudar… E por conta disso gostaria de saber o que as pessoas gostariam de saber mais.

Aí depois, crie o que for, algo simples, só para testar mesmo… Em seguida, faça uma pequena oferta para a sua lista.

Faça um aquecimento da lista com conteúdo de qualidade e, pouco a pouco, avisando que você vai trazer uma novidade. Um novo ebook/curso/produto para ajudar as pessoas a fazer [RESULTADO FINAL].

Se você fizer isso, a oferta em si não virá como uma surpresa grosseira. Será algo natural. E daí em diante você consegue expandir.

Então, para concluir, acho que no final a pergunta não é “como fazer essa transição”, mas sim como crescer e desenvolver um negócio com real potencial de crescimento.

Essa era a dica e o conselho que eu tinha para passar pra você hoje.

Caso queira ver o comentário do Yuri e também assistir ao vídeo caso não tenha ainda assistido, você pode fazer isso clicando AQUI.

Depois, qualquer dúvida ou comentário, só usar o espaço abaixo! Vou adorar ler o que você tem a dizer!

Abraços!

-Bruno Picinini

Seja generoso - compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+