Trabalho Em Casa: 7 Ideias De Baixo Custo Para Se Trabalhar Em Casa

Ahhh ter um trabalho em casa!

Quantas pessoas não querem isso!

Liberdade, qualidade de vida, fazer os próprios horários…

Benefícios de um trabalho em casa não faltam. O problema é: o que fazer exatamente?

Nesse novo vídeo dou 7 ideias do que você pode fazer em casa. Como um trabalho e segunda fonte de renda.

E hey — quem sabe não vira sua fonte de renda principal? 🙂

Pra mim e tantos outros clientes é assim. E tudo começa com um primeiro passo: acreditar que é possível.

Dá uma olhada no vídeo e veja se alguma das ideias de trabalho em casa acima se aplicam pra você.

Ahhh, a maioria delas é envolvendo a internet. Porque acho mais fácil e praticamente todo mundo pode fazer. Existem outras aí fora, mas eu pessoalmente não gosto tanto beleza?

Aqui ele:

Você pode também escutar esse vídeo no Podcast oficial do Empreendedor Digital:

Lembre-se de assinar agora o canal para não perder nenhum vídeo com dicas e sacadas de marketing e empreendedorismo digital.

Se quiser você pode ver esse e deixar seu comentário no vídeo no próprio vídeo no YouTube: Trabalho Em Casa: 7 Ideias De Baixo Custo Para Se Trabalhar Em Casa

7 Ideias De Como Trabalhar Em Casa

Opa! Bruno Picinini por aqui. Nesse vídeo de hoje eu vou dar 7 ideias do que você pode fazer para poder trabalhar em casa. Talvez você não aguente mais seu emprego ou deseje criar uma segunda fonte de renda. Esse vídeo vai te ajudar com isso. Vou passar algumas dicas do que já funcionou para mim, do que não funcionou para mim, de coisas que eu já vi funcionando para outras pessoas, mas não funcionou para mim… daí você poderá decidir qual é o melhor caminho para você. Não existe uma única alternativa. Existem algumas que eu não recomendo e não gosto, mas cada um é livre para fazer sua escolha.

Quando eu começo a falar sobre ganhar dinheiro em casa as pessoas já associam automaticamente com enganações, furadas e escândalos. Realmente existe muita lorota por aí. Mas faz parte do meu trabalho mostrar o meu trabalho e o trabalho dos meus clientes, mostrando que é possível trabalhar em casa caso você não tenha medo de arregaçar as mangas e trabalhar. Esse caminho pode realmente dar frutos se você se dedicar. Vamos ver as 7 ideias – talvez tenha uma que se encaixe com o que você gostaria de fazer.

A primeira ideia é uma das mais fáceis para se começar. Você pode simplesmente começar como um freelancer. Talvez você não esteja familiarizado com termo. Você pode ter habilidades específicas como criar sites, criar logos, trabalhar com webdesign… se você tem alguma dessas habilidades (ou qualquer outra) você pode oferecê-la através da internet. Achar pessoas interessadas no seu serviço é outra história. Você pode começar simplesmente falando para algumas pessoas sobre seu serviço. Com o boca a boca e com as redes sociais, talvez você consiga oferecer seus serviços através da internet. Dependendo do que você faz, você pode fazer de qualquer lugar que você queira.

A segunda alternativa (que é o próximo nível do freelancer) é trabalhar com consultoria ou coaching. Se você presta esse tipo de serviço, você pode fazer isso através da internet. Muitas pessoas criam grupos ou comunidades e oferecem algum tipo de ajuda ou informação. Talvez você more numa cidade pequena ou num local que seja difícil para criar um grupo. A grande vantagem da internet é que se tiver um cara no Japão ou na Finlândia com o mesmo interesse que você, é possível juntar essas pessoas para oferecer um tipo de consultoria ou coaching. Você pode oferecer isso individualmente ou em grupo. Talvez você tinha dúvidas no passado e conseguiu resolvê-las. Agora, as pessoas podem te pagar para ter esse tipo de informação. Você pode ajudar as pessoas não somente nos negócios delas, mas também na vida delas. Existe coaching e consultoria de várias coisas: pais, filhos, engenheiros, dentistas, criação de negócios online, produtividade, empresas, líderes, CEOs, presidentes…

A terceira ideia é o modelo de afiliados. É um modelo que eu pessoalmente não gosto tanto. Tem alguns problemas. Mas com certeza é uma ótima maneira de começar. Afiliado é basicamente um vendedor com comissão. Ou seja, você pega um produto que alguém esteja vendendo na internet, vende o produto e recebe uma comissão da pessoa que criou o produto. Não sei porque se chama “afiliado” e não “vendedor com comissão”. Com certeza é uma ótima maneira de começar, já que você não precisa criar um produto logo de cara, podendo usar o produto dos outros e só vender. Eu não gosto disso. Você não tem nenhum controle sobre o produto e muitas pessoas provavelmente já estão tentando vender o produto. Eu não gosto de marketing multinível pelo mesmo motivo. Se muitas pessoas conseguem fazer aquilo de maneira fácil, provavelmente aquele mercado lotará rapidamente.

O modelo que eu mais gosto e recomendo é trabalhar com infoprodutos (não somente infoprodutos, mas produtos digitais também). Você pode criá-los sozinho ou contratar pessoas para criá-los para você. Você pode também conseguir pessoas para fazer o produto e dividir as comissões – existem diversas maneiras de fazer isso. Eu gosto desse modelo porque nele você é a pessoa que está no controle do produto. Você define o preço, como, quando e onde quer vender. Apesar de ter um trabalho inicial um pouco maior (por isso falei que ser afiliado é uma boa maneira de se começar), acho ele melhor em longo prazo. Você não ganhará uma comissão de 20% ou 30%, mas sim 100% (a não ser que você ofereça uma comissão para afiliados). É um modelo de negócios que eu recomendo. Ele também possibilita que você trabalhe com aquilo que você tem interesse, como seus hobbies e paixões. Dá para transformar qualquer interesse em um negócio online, apesar de alguns interesses terem mais potencial.

O quinto modelo seria trabalhar com um formato que eu pessoalmente não gosto muito, que é ter anúncios num site. Geralmente isso acontece com uma pessoa que criou um site que consegue muito tráfego, como um blogueiro que escreve vários artigos. O tráfego é muito grande e o blogueiro não sabe rentabilizar o tráfego, já que não tem um produto para oferecer. Essas pessoas geralmente usam o Google Adsense, que fica dentro do Google Adwords. São links, banners ou imagens que levam para um outro site. Você pode usar o Google, outras redes ou até pessoas que queiram anunciar no seu site. Eu pessoalmente não gosto disso. Você terá que conseguir muito tráfego para que esse modelo valha a pena no sentido financeiro. Pode até ser prazeroso, já que você estará escrevendo sobre o que gosta. Eu acho que dá muito trabalho, já que você tem que publicar artigos (ou vídeos) quase todos os dias, senão o tráfego começa a desaparecer. Muitas vezes você fica simplesmente fazendo um artigo atrás do outro e o tráfego não vem. O maior problema desse modelo é que quando esse tráfego chega ao seu site, seu objetivo número 1 é expulsar essas pessoas do seu site para ganhar centavos – para mim isso não faz sentido. Quando eu consigo o tráfego, quero que ele fique comigo o maior tempo possível. Quanto mais pessoas estiverem comigo por mais tempo, maiores serão as chances de vender um produto e lucrar. Eu quero dar esse modelo para você se você acha que ele faz sentido – mas na minha opinião não faz. Eu acho que é melhor manter essas pessoas perto para oferecer serviços de freelancer, consultoria, coaching ou infoprodutos (que é o modelo que eu mais gosto). Eu falo muito sobre infoprodutos nos vídeos do Férias Sem Fim, caso você queira saber mais sobre esse modelo de negócios.

A sexta ideia é parecida com a ideia de criar uma rede com tráfego e fazer anúncio, mas acho que tem um potencial melhor: criar uma comunidade. Você pode fazer uma comunidade sobre o assunto que você quiser (esquiar, surfar, escalar). Ao invés de criar um site no qual você precisa ficar postando artigos sozinho, você pode criar uma comunidade. Hoje existem várias ferramentas para se criar uma comunidade. Caso você consiga criar massa crítica suficiente nessa comunidade, não precisa ser sempre você que criará conteúdo nessa comunidade, já que outras pessoas também estarão participando. Essas pessoas vão interagir entre si e realmente criarão uma comunidade – essa é a ideia. Você pode, então, cobrar acesso à essa comunidade. Você pode cobrar logo de início o acesso à comunidade. Ou então você pode deixar a comunidade gratuita para quem ajudou a criar a comunidade e cobrar o acesso para as pessoas que entrarem posteriormente. Você também pode usar o modelo freemium, que é deixar o acesso gratuito a 80% da sua comunidade e cobrar pelos outros 20%, que são conteúdos extras. É um modelo muito bom, já que você convida as pessoas a participarem de maneira gratuita e tenham acesso pago, caso tenham interesse, a outras coisas que você oferece. Acho muito melhor do que criar um blog, já que você começa ouvindo e interagindo com as pessoas. Isso é o que realmente vai tocar seu negócio. Você estará incentivando as pessoas a ficarem no seu site, e não expulsando-as para lucrar 5 centavos.

O sétimo modelo tem um grande potencial. Pessoalmente não é minha praia, mas você pode criar uma loja virtual. Você pode vender produtos seus, ganhar comissão, importar da China… existem diversas maneiras. O Magento é um sistema que ajuda a criar uma loja virtual. Eu pessoalmente não gosto muito porque prefiro produtos digitais. Produtos digitais são muito mais fáceis de entregar. Você pode criar um ebook, um áudio, um acesso a um site de membros, um software, um aplicativo… e entrega-lo 100% digitalmente. Se alguém perder o arquivo, é só enviar novamente. Já com um produto físico, você depende do correio fazer o trabalho dele… eles podem perder o produto, extraviar… existe uma gama enorme de problemas. Além disso, o custo físico do produto pode ser muito caro. O produto digital, depois de pronto, não custa praticamente nada. Além disso, a margem de lucro do produto é quase 100% sua – descontando a comissão dos afiliados ou do sistema que você usa para vender.

Essas são as 7 ideias que você pode fazer para trabalhar em casa. Com elas, você pode criar uma segunda fonte de renda. Eu recomendo que você comece sem largar seu emprego, a não ser que você seja demitido. Mas você pode criar tudo isso com 1 ou duas horas por dia ou usando os fins de semana. Se isso der resultado, você poderá usá-la como fonte principal de renda e pode se dedicar 100% ao negócio online.

Caso você tenha interesse nisso, recomendo que você clique no link www.feriassemfimcom. Você será levado ao meu projeto, que tem 3 aulas gratuitas sobre como começar um negócio online. Eu mostro como eu ganhei de 3 a 20 mil reais em 90 dias através de um negócio criado do zero. Eu falo no que eu acertei e no que eu errei. Se você não tem medo de trabalhar, você pode tentar esse caminho que comprovadamente funciona. Depois, clique no botão de joinha que temos no lado do vídeo. Também se inscreva para receber uma notificação dos próximos vídeos.

Vou ficando por aqui. Um grande abraço e até mais.

Seja generoso - compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+